AVALIAÇÃO PRELIMINAR DO POTENCIAL TURÍSTICO DO MUNICÍPIO DE RIFAINA (SP) E OS IMPACTOS DECORRENTES DO USO PÚBLICO DE SEUS ATRATIVOS PAISAGÍSTICOS

Thalita ZANFELICE, Mario Lincoln ETCHEBEHERE, Antonio Roberto SAAD

Resumo


Este trabalho busca levantar o potencial turístico dos atrativos paisagísticos do Município de Rifaina (SP) e avaliar, preliminarmente, os impactos ambientais decorrentes do uso público desses atrativos. Em passado recente, este município tinha sua economia concentrada em atividades rurais (pecuária, plantações de milho, arroz e feijão) e na indústria cerâmica (produção de tijolos, telhas e manilhas), em grande parte desenvolvidas na várzea do Rio Grande antes da construção do reservatório da Usina Hidrelétrica de Jaguara. Os impactos decorrentes das atividades turísticas foram avaliados mediante aplicação do método VIM (Visitor Impact Management) modificado, com ênfase em indicadores biofísicos. Os principais atrativos analisados foram: (1) Praia artificial de Rifaina; (2) Represa de Jaguara; (3) Morro do Chapéu; (4) Ferrovia turística; e (5) Escarpas da cuesta. Os atrativos (1) e (2) são os mais explorados, incluindo, no segundo caso, esportes náuticos, pescas esportiva e artesanal e casas de veraneio. A ferrovia turística (4) encontra-se, atualmente, desativada, mas reúne condições potenciais de voltar a ser explorada. Os atrativos (3) e (5) são os menos visitados e conhecidos, embora reunam feições paisagísticas e ecológicas de elevado potencial para o Ecoturismo. No presente artigo, é feita uma caracterização preliminar dos principais aspectos de interesse turístico e de impactos ambientais, com sugestões relativas ao aproveitamento sustentado desses recursos turísticos. Os resultados finais alcançados revelam impactos pequenos (atrativos 4 e 5) a moderados (atrativos 1, 2 e 3). Propõem-se, para o aproveitamento sustentável do potencial turístico do município, as seguintes medidas: incremento de projetos de pesquisa técnico-científica sobre os atrativos paisagísticos, melhoria da infraestrutura turística e criação de uma área de proteção ambiental (APA) das escarpas da cuesta

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


SCImago Journal & Country Rank