O estudo de formações superficiais no Brasil

José Pereira de Queiroz Neto

Resumo


Duas grandes tendências manifestaram-se no Brasil no estudo das formações superficiais, nem sempre convergentes, porém ambas tentando distinguir as autóctones das alóctones: a dos pedólogos, porque as fomações superficiais representam os materiais de origem dos solos, e a dos geomorfólogos/geólogos, porque podem representar testemunhos dos processos responsáveis pela elaboração do relevo. Aqui é apresentada uma síntese das origens e direções exploradas por essas tendências, mostrando os principais resultados alcançados, terminando com as perspectivas abertas pela aplicação do procedimento da análise estrutural da cobertura pedológica em duas direções: possibilitando uma definição mais correta da questão da autoctonia/aloctonia das formações superficiais e avaliando a importância dos processos biogeodinâmicos na elaboração das formas de relevo.

Palavras-chave


Formações superficiais; Solos; Linhas de pedra; Couraças ferruginosas; Relevo; Superfícies de erosão; Ação dos insetos.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5935/0100-929X.20010003

Apontamentos

  • Não há apontamentos.