ASTRÁGALO E OSTEODERMOS DE GLYPTOTHERIUM OSBORN, 1903 DO PLEISTOCENO SUPERIOR DE PERNAMBUCO, NORDESTE DO BRASIL

LUANA CARDOSO DE ANDRADE, ÉDISON VICENTE OLIVEIRA, VANDERLEI MANIESI, SÔNIA HATSUE TATUMI

Resumo


No Brasil, os achados de Glyptotherium ocorrem, principalmente, na região Nordeste. No Nordeste, Região Intertropical Brasileira (RIB), há registros de Glyptotherium do Pleistoceno Superior, principalmente no Estado de Pernambuco. Este trabalho reporta novos achados de Glyptotherium em um depósito de tanque do Pleistoceno de Pernambuco, correspondendo a osteodermos isolados e um astrágalo que se aproxima em detalhe as formas norte-americanas. Esse registro amplia tanto a distribuição de Glyptotherium para a RIB quanto os dados referentes às relações paleobiogeográficas entre as faunas de megamamíferos do norte da América do Sul, da América Central e do sul da América do Norte durante o Neopleistoceno.


Palavras-chave


Glyptotherium; Taxonomia; Pleistoceno Superior; Depósito de tanque; Brasil.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.4072/rbp.2018.1.08

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


SCImago Journal & Country RankSalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvar