OCORRÊNCIA DE OPHIOMORPHA NODOSA EM SEDIMENTOS PLEISTOCÊNICOS DA PLANÍCIE COSTEIRA DA PINHEIRA, SANTA CATARINA, BRASIL

DANYELLY CAETANO MARTINS, RODRIGO R. CANCELLI, RENATO PEREIRA LOPES, PATRÍCIA HADLER, ERICKS H. TESTA, EDUARDO GUIMARÃES BARBOZA

Resumo


A ocorrência de icnofósseis marinhos do Pleistoceno (MIS) 5 em uma localidade da Planície Costeira da Pinheira, Estado de Santa Catarina é descrita, e seu valor como indicador da evolução geológica/estratigráfica nesta área é discutido. Esta sequência sedimentar indica a transição entre a zona de inframaré, onde os icnofósseis ocorrem, para zona de supramaré e, finalmente para dunas. Os icnofósseis podem ser observados em posição vertical, entre 0 e 4,5 m acima do nível do mar atual. As galerias são estruturas cilíndricas com seção transversal circular ou oval, sem ramificações. As paredes internas são lisas, e as externas são compostas por pellets de argila e areia homogeneamente dispersos, sem um arranjo específico. Esta morfologia está relacionada com a icnoespécie Ophiomorpha nodosa. A densidade média foi de 32,9 galerias/m², variando de 22 a 51 galerias/m². A maior densidade encontrada pode estar relacionada com time-averaging, ou com um ambiente de inframaré mais profundo. A distribuição vertical de Ophiomorpha e a ausência de variações faciológicas nos depósitos podem indicar um estágio agradacional entre as fases transgressiva e regressiva.


Palavras-chave


Ophiomorpha; Icnofósseis; Pleistoceno; Paleonível marinho.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.4072/rbp.2018.1.06

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


SCImago Journal & Country RankSalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvar