ANUROS (AMPHIBIA, ANURA) DO PLEISTOCENO FINAL-HOLOCENO INICIAL DE ITAPIPOCA, ESTADO DO CEARÁ, BRASIL: TAXONOMIA, PALEOECOLOGIA E TAFONOMIA

HERMÍNIO ISMAEL DE ARAÚJO-JÚNIOR, GERALDO JORGE BARBOSA DE MOURA

Resumo


Este trabalho reporta a ocorrência de anuros fósseis atribuídos aos táxons Rhinella jimi, R. schneideri e Anura indet. provenientes de depósitos de tanque do Sítio Paleontológico João Cativo (Pleistoceno Final-Holoceno inicial), município de Itapipoca, Estado do Ceará. Esta consiste na primeira descrição formal de restos de bufonídeos em depósitos fossilíferos brasileiros. A presença das espécies R. jimi e R. schneideri em João Cativo é indicativa de um paleoambiente árido com marcada estacionalidade, onde, nos períodos chuvosos, os tanques funcionariam como sítios de alimentação, reprodução e morte para a paleoanurofauna da região. A análise tafonômica do material, o estudo da morfologia dos tanques e observações actuopaleontológicas sugerem que os anuros morreram dentro dessas depressões, sendo, portanto, autóctones, diferentemente dos mamíferos, considerados parautóctones, por terem sido transportados para seu local fi nal de acumulação por fl uxos de detritos. Além disso, a comparação entre os atributos tafonômicos de anuros e mamíferos confi rma a ocorrência de misturas temporal e espacial nos depósitos de tanque de João Cativo.

 


Palavras-chave


Anura; Tanques; Cenozoico; Nordeste do Brasil; Tafonomia; Paleoecologia.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.4072/rbp.2014.3.08

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


SCImago Journal & Country RankSalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvar