UNDERGROUND CHAMBER SYSTEMS EXCAVATED BY CENOZOIC GROUND SLOTHS IN THE STATE OF RIO GRANDE DO SUL, BRAZIL

HEINRICH THEODOR FRANK, CAMILA ELIZA ALTHAUS, ERIK MARTINS DARIO, FERNANDO RUBBO TRAMONTINA, RAFAEL MARQUEZAM ADRIANO, MARIANA DE LIMA ALMEIDA, GABRIELA FEITEN FERREIRA, RAFAELA NOGUEIRA, ROGÉRIO BREIER

Resumo


Um levantamento regional das cavernas existentes no estado do Rio Grande do Sul, Brasil, listou centenas de cavernas com variadas origens. Dentre estas, foram identificadas duas cavernas de grande porte com características diferenciadas, uma localizada na cidade de Santa Cruz do Sul e a outra no município de Vale Real. Ambas desenvolvem-se aproximadamente em um plano horizontal, estendem-se dezenas de metros para o interior das respectivas elevações e não apresentam sinais de drenagens subterrâneas presentes ou passadas. Nas suas morfologias destacam-se superfícies côncavas nas paredes que sugerem que as cavernas se formaram a partir de um sistema de câmaras elípticas, cada câmara com altura original aproximada de 1,5 m e diâmetro original entre 3,5 e 7 m. As câmaras individuais eram unidas através de túneis relativamente curtos. Estas câmaras estão mais bem preservadas na caverna de Santa Cruz do Sul; a caverna de Vale Real apresenta-se muito desfigurada, tanto por processos inorgânicos como por ação antropogênica. As características gerais das duas cavernas permitem propor que se originaram pela ação de escavação de preguiças gigantes da Megafauna sul-americana. Suas dimensões sugerem que foram escavadas e habitadas não por animais isolados, mas por grupos de preguiças. As paredes originais polidas sugerem que as câmaras foram usadas por longos períodos (séculos). Sua morfologia é tão contrastante com àquela dos sistemas de túneis encontrados na Região Sul do Brasil, também escavados pela Megafauna, que propomos que esta morfologia de abrigo subterrâneo se refere a uma espécie específica de preguiça-gigante, cuja identificação será muito difícil.

Palavras-chave


Cavernas; Megafauna; Preguiças-gigantes; Túneis; Câmaras; Brasil.

Texto completo:

PDF (English)


DOI: http://dx.doi.org/10.4072/rbp.2015.2.08

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


SCImago Journal & Country RankSalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvar