DEPÓSITO DE CAULIM DE TIJUCAS DO SUL (MINA FAZENDINHA, TIJUCAS DO SUL - PR)

JOÃO CARLOS BIONDI, ELIZABETE DO ROCIO SANTOS

Resumo


A bacia sedimentar de Tijucas do Sul, situada cerca de 45 Km ao sul de Curitiba (PR), é o maior depósito de argila caulinítica do sul do país, com recursos estimados em 200 Mt de minério. Situada em meio a gnaisses e migmatitos, recebe sedimentos originados pelo intemperismo e erosão de granitos, de rochas vulcano-sedimentares e diques de basalto. Está preenchida por aglomerados, areias, argilas e siltes argilosos quaternários, sedimentados em ambientes fluviais, de planície de inundação, e lacustres, em menor proporção. A intensa lixiviação, por águas superficiais acidificadas devido à presença de sedimentos ricos em matéria orgânica, está dessilicificando feldspatos dos sedimentos superficiais, gerando caulinita e gibbsita, e a caulinita, gerando gibbsita. Nos sedimentos mais próximos da superfície a aluminização avançada formou grande quantidade de nódulos de gibbsita + caulinita. Há indicações de que esse processo tenha ocorrido em ao menos três outros períodos, nos quais a paleo-superfície da pilha sedimentar ficou exposta à ação de águas meteóricas por longo tempo, proporcionando dessilicificação e caulinização também de camadas atualmente soterradas e distantes da superfície. A argila preta (fácies AP), lacustre, é a única com características químicas diferentes, destacando-se pelos seus teores elevados de matéria orgânica e de Y e por suas propriedades cerâmicas, semelhantes às das ball clays. A fração dos sedimentos menor que 0,04 mm tem 45 a 75% de caulinita, 2 a 41% de quartzo, 1 a 18% de gibbsita e 1 a 10% de óxidos de titânio (ilmenita + anatásio + "outros óxidos"). O Ti e o Fe estão incorporados nos argilominerais, devido aos seus elevados graus de desordem estrutural, ou ocorrem como micro-fragmentos de minerais, trazidos dos diques de basalto. A cristalinidade das caulinitas é baixa a muito baixa, e predominam cristais com "desordem no eixo b". Estas características estruturais podem estar relacionadas ao baixo grau de diagênese dos sedimentos e à dessilicificação das caulinitas. Análises MEV-EDS mostraram que não há haloisita e que predominam caulinitas detríticas, menores que 0,5 mm, sendo menos frequentes as neoformadas, com estruturas "em acordeon". Ocorrem microcristais octaédricos, com teores altos de Ti, provavelmente de anatásio, misturados aos argilominerais.


Palavras-chave


Tijucas do Sul (PR); Depósito de caulinita; Química e mineralogia de argilas; Modelo genético.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.