PALEOAMBIENTES E ICNOFÁCEIS DA SEQÜÊNCIA CARBONÁTICA DA BACIA DA PARAÍBA (CRETÁCEO-PALEOGENO), NORDESTE DO BRASIL

JOSÉ ANTONIO BARBOSA, MARIA SOMÁLIA SALES VIANA, VIRGÍNIO HENRIQUE NEUMANN

Resumo


Este trabalho apresenta uma investigação detalhada dos aspectos estratigráficos, sedimentológicos e paleontológicos, principalmente icnofaciológicos, em afloramentos de rochas carbonáticas das formações Gramame e Maria Farinha, na Bacia do Paraíba, nordeste do Brasil. A Formação Gramame foi depositada em um regime de mar alto, abaixo do nível de base de ondas de bom tempo, em ambiente de baixa energia sujeito a eventos de tempestade com predomínio de substrato macio e icnofácies Cruziana. A Formação Maria Farinha, por sua vez, foi depositada durante um evento de regressão, com aumento de energia e redução de lâmina d’água. que provocou variações laterais de sua faciologia e, icnofácies correspondente a  Cruziana-Skolithos. Os calcários recifais, de provável idade eocênica, encontrados na Paraíba apresentam expressiva diferença dos calcários da Formação Maria Farinha típica, podendo representar uma outra unidade. Estes calcários estão separados da Formação Maria Farinha por discordância e indicam o estabelecimento de um trato de mar baixo, e icnofácies interpretada com Trypanites?. A integração dos dados sugere uma paleobatimetria  de plataforma intermediária a interna (150-80m), para a Formação Gramame, e de plataforma interna a infralitoral (60-20 m), incluindo proximidade de estuários, para a Formação Maria Farinha.


Palavras-chave


Bacia da Paraíba; Icnofáceis; Formação Gramame; Formação Maria Farinha.

Texto completo:

PDF PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.