Caracterização ótica e química dos minerais das zonas de alteração hipogênicas do depósito de Au-Cu (Bi) Pombo, Terra Nova do Norte (MT)

João Carlos Biondi, Nilton Djalmo Franke, Paulo Roberto Carvalho, Sandro Notto Villanova

Resumo


O granito Pombo, hospedeiro do depósito de Au-Cu (Bi) Pombo, é um biotita-hornblenda granito com alteração tardi-magmática, que contem resíduos de minerais magmáticos. Zonas de alteração hidrotermal desenvolveram-se a partir do granito quando o depósito foi gerado. Nessa rocha, o anfibólio 1, magmático, é uma magnésio-hornblenda. A alteração tardi-magmática cristalizou tschermakita-hornblenda (anfibólio2) e a propilitização cristalizou actinolita-hornblenda (anfibólio 3). Durante a alteração tardi-magmática houve damouritização dos núcleos e sodificação das bordas do feldspato magmático (Fk1, plagio1 e 2), com cristalização de franjas de albita. Em seguida, a alteracão sódica cristalizou franjas de oligoclásio - albita (plagio4) em volta do Fk2 e do plagio3, recristalizou a pertitita do feldspato potássico (Fk3) e cristalizou albita (plagio5). Na sequência, a alteração potássica cristalizou microclínio (Fk4) e biotita (biotita3). A clorita ocupa os domínios da ripidolita, da brusnvigita e da picnoclorita, com maior concentração no domínio dessa última. As cloritas1, 2 e a 3 são tardi-magmáticas, a 4 é propilítica, a 5 é da zona fílica e a 6 faz parte da paragênese do minério. A biotita1 é magmática, a 2 é tardi-magmática, gerada pela alteração da hornblenda magmática, e a biotita3 é hidrotermal, cristalizada na zona potássica ao mesmo tempo que o Fk4. Não foi possível analisar a muscovita1. A muscovita2 e a 3 são fengita, pouco mais silicosa que a muscovita padrão. O esfeno magmático 1, tem mais La2O3 + Ce2O3, BaO e Nb2O5 que o esfeno 2, hidrotermal, que ocorre sempre dentro da clorita 4. Glomérulos ovalados e zonados de microcristais de um mineral não identificado, ocorrem dentro de clorita4, associados a inclusões de esfeno2, titanomagnetita e flúor-apatita. Este mineral tem mais CaO e menos Fe2O3, Al2O3 e TiO2 que a pumpeliita/julgoldita, com as quais se assemelha quimicamente. Os núcleos dos glomérulos têm teores maiores de Fe2O3 e menores de TiO2 e Al2O3 que as bordas. Calculada com a estrutura química da pumpeliita, o mineral não identificado tem fórmula idealizada: (Ca, Na, K)12(Fe3+, Mg, Al, Mn)1,0(Fe3+, Al, Ti)2,0Si6,0(F,Cl)1,0(O,OH)28.

Palavras-chave


Zonas de alteração hipogênica; Depósito de ouro; Pombo (MT).

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.