A Formação Sete Lagoas em sua área-tipo: fácies, estratigrafia e sistemas deposicionais

Lucieth Cruz Vieira, Renato Paes Almeida, Ricardo I. F. Trindade, Afonso C. R. Nogueira, Liliane Janikian

Resumo


Estudos detalhados de fáceis sedimentares e empilhamento estratigráfico de 12 seções em minas e corte de estrada, ao longo de um perfil de 80,5 km, conduziram ao reconhecimento de 11 fácies sedimentares da Formação Sete Lagoas, 2 fácies do Conglomerado Carrancas e 3 fácies na porção basal da Formação Serra de Santa Helena. Essas fácies compõem 9 associações de fácies, as quais correspondem ao registro de 3 seqüências deposicionais. As seqüências estratigráficas descritas são caracterizadas por tratos de sistema transgressivo e mar alto, com preservação secundária de um trato de sistema de mar baixo. Duas das três seqüências reconhecidas estão associadas à sucessão carbonática da Formação Sete Lagoas, enquanto a última seqüência, sobreposta aos carbonatos, corresponde ao registro siliciclástico da Formação Serra de Santa Helena. A distribuição estratigráfica das associações de fácies revela uma transição de ambientes de águas rasas a Oeste da área estudada para ambientes de águas mais profundas em direção a Leste. Um modelo de rampa carbonática, mostrando os diferentes estágios de evolução das seqüências, é apresentado como proposta de interpretação para os dados faciológicos e estratigráficos obtidos para os depósitos da Formação Sete Lagoas na região homônima e proximidades.

Palavras-chave


Formação Sete Lagoas; Análise de fácies; Estratigrafia; Neoproterozóico.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.