Arcabouço estrutural da Bacia do São Francisco nos arredores da Serra da Água Fria (MG), a partir da integração de dados de superfície e subsuperfície

Cízia Mara Hercos, Marcelo Augusto Martins-Neto, André Danderfer Filho

Resumo


A porção leste da Bacia do São Francisco, nos arredores da serra da Água Fria, conta com uma seção sísmica (240-RL-300) de direção NW-SE. Ao longo dessa seção foi possível reconhecer os estilos estruturais dominantes no segmento estudado e constatar que o mesmo pertence a um compartimento tectônico, denominado Saliência de Pirapora, onde o embasamento foi envolvido na deformação das rochas da cobertura (tectônica thickskinned). A partir da integração dos dados sísmicos e de campo, foi possível dividir esse segmento em 3 domínios estruturais: Oriental, Central e Ocidental, que são caracterizados, no nível estrutural mais raso, pela presença de megadobras, uma extensa monoclinal (Monoclinal do Boqueirão) e estratos suborizontais, respectivamente. A deformação é maior no domínio Oriental e diminui em direção ao Ocidental. No domínio Oriental foi constatado um soerguimento do relevo estrutural de cerca de 2500m; em profundidade, nos arredores da serra da Água Fria, foi interpretado um hemigráben invertido (inversão fraca) balizado a oeste por um alto de embasamento (Alto do Boqueirão), recoberto em contato discordante por uma unidade que exibe maior encurtamento relacionado ao desenvolvimento das megadobras. O alto do Boqueirão atuou como um anteparo rígido (butress), causando o encurtamento da sequência sin-rifte ao bloquear o transporte tectônico dirigido para oeste. A monoclinal do Boqueirão foi gerada em resposta ao soerguimento desse alto durante a inversão da bacia. O encurtamento total da área foi acomodado por dois mecanismos: inversão de falhas normais em resposta ao soerguimento regional do embasamento, e dobramentos na cobertura amplificados por esforços horizontais.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.