Comportamento estrutural do Sistema Aquífero Guarani no estado de Goiás, Brasil

Luiz Antonio de Oliveira, José Eloi Guimarães Campos

Resumo


No estado de Goiás, Brasil, o Sistema Aquífero Guarani (SAG) é composto por arenitos eólicos de idade jurássica da Formação Botucatu que cobrem uma grande área de 44.000 km2, deste total, 35.138 km2 estão confinados pelos basaltos da Formação Serra Geral, enquanto os 9.580 km2 restantes representam as áreas de afloramentos. Com base nos dados de geologia de superfície e aqueles levantados em perfis de poços tubulares profundos foi possível estabelecer o comportamento estrutural do SAG, objetivo deste trabalho. As zonas de afloramentos estão distribuídas pelas regiões de Mineiros, Jatai e Aporé, com áreas de 8.832, 705 e 42 km2, respectivamente. O grau de confinamento do aquífero é controlado por duas estruturas geológicas: uma principal, aqui denominada de Depressão Tectônica Associada ao Lineamento do Rio Paranaíba (DTRP), de direção NE-SW e que condiciona o grau de confinamento na direção NW-SE e estruturas secundárias estão relacionadas aos lineamentos dos tributários do rio Paranaíba, de direção NW-SE, que condicionam o grau de confinamento na direção W-E. Os eventos tectônicos principais ocorreram no Jurássico, onde foram definidos os limites de deposição e de atitude das camadas areníticas e no Cretáceo durante o magmatismo da Formação Serra Geral, que promoveram a reativação dos planos de falhas do embasamento e a instalação de um rifte intracontinental, de direção NE-SW, cuja abrangência coincide com a DTRP (extensão nordeste do lineamento do rio Paraná). O magmatismo fissural que sucedeu a instalação do rifte seccionou localmente as camadas sedimentares pré-cretácicas.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5327/Z0375-75362012000500011

Apontamentos

  • Não há apontamentos.