Relação qualidade da água e fragilidade ambiental da Bacia do Rio Almada, Bahia

Gustavo Barreto Franco, Luiza Silva Betim, Eduardo Antonio Gomes Marques, Ronaldo Lima Gomes, César da Silva Chagas

Resumo


Esta pesquisa teve como objetivo a criação do Índice de Qualidade da Água em Resposta à Fragilidade Ambiental (IQAFA) e a determinação dos níveis de fragilidade ambiental da Bacia do Rio Almada, Bahia. O mapa de fragilidade ambiental foi obtido a partir da integração das características: precipitação pluviométrica, substrato rochoso, declividade, solo e seu uso e ocupação, por meio de álgebra de mapas em ambiente de Sistema de Informação Geográfica na escala de 1:100.000. Foi classificado em cinco graus de fragilidade: Muito baixo, Baixo, Médio, Alto e Muito alto. As maiores fragilidades incluem as áreas urbanas, os sedimentos arenosos expostos na zona de praia, manguezais e bolsões degradados da planície costeira localizados na porção Leste e as áreas de pastagem e solo exposto nas porções Oeste da bacia. Nas classes que apresentaram fragilidade baixa estão incluídas as rochas do embasamento cristalino, recobertas pela floresta de mata atlântica e da cabruca. Os parâmetros utilizados (temperatura, condutividade elétrica, pH, sólidos totais e turbidez) para o cálculo do IQAFA mostraram-se adequados, uma vez que as alterações da qualidade das águas refletiram a presença de áreas com menor ou maior valor de fragilidade ambiental, tornando-se uma ferramenta importante na compreensão da situação da qualidade da água frente a essa fragilidade. Ressalta-se que os resultados obtidos para o IQAFA foram validados por meio de correlações estatísticas com a fragilidade baixa e alta.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5327/Z0375-75362012000500010

Apontamentos

  • Não há apontamentos.