Erosão fluvial sobre rochas vulcânicas: algumas inferências a partir de segmentos côncavos de perfis longitudinais

Adalto Gonçalves Lima

Resumo


A pesquisa procurou identificar os fatores que controlam a homogeneidade da resistência à erosão fluvial sobre rochas vulcânicas e que levam à formação, por conseguinte, de segmentos côncavos nos perfis longitudinais dos rios. Por meio de levantamento cartográfico e em campo de dados geológicos e geomorfológicos e utilizando a relação declive-área, investigou-se o papel das características litológicas e do fraturamento tectônico sobre a formação dos segmentos côncavos, em um pequeno canal instalado sobre riodacitos e basaltos da Formação Serra Geral, no Paraná. A relação declive-área, na forma de uma função potência, permitiu identificar a existência de segmentos côncavos contínuos e descontínuos, ou seja, interrompidos por trechos cujas declividades não estão ajustadas aos demais. Os segmentos côncavos investigados são esculpidos em riodacitos e basaltos vesiculares, devido à menor resistência à erosão desses tipos litológicos. A inserção do canal em zonas fraturadas melhora o ajuste das declividades dos segmentos côncavos, traduzindo-se em aumento do coeficiente de determinação (R2). O índice de concavidade nos riodacitos é -0,79 e nos basaltos vesiculares, -1,05. Embora a diferença nos índices possa ser devido ao não fraturamento tectônico dos riodacitos, a mesma sugere que os basaltos vesiculares são menos resistentes à erosão fluvial.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5327/Z0375-75362012000500004

Apontamentos

  • Não há apontamentos.