Arcabouço estratigráfico da Formação Sergi (Jurássico Superior) na Bacia de Almada, Bahia

Felipe Adegas, Claiton M. S. Scherer, Christian Born

Resumo


O presente trabalho analisou os depósitos fluviais e eólicos da Formação Sergi (seção pré-rifte) na Bacia de Almada, com o objetivo de fornecer um arcabouço estratigráfico deste intervalo, baseado em conceitos da estratigrafia de sequências. Esta unidade foi depositada em uma ampla bacia intracratônica durante o Jurássico Superior e o Cretáceo Inferior. Com a utilização de dados de campo e de poços, foi possível individualizar três sequências deposicionais internas à Formação Sergi, sendo as duas basais correspondentes ao intervalo da Formação Sergi e a superior abrangendo o topo das Formações Sergi e Itaípe. O critério utilizado para definição deste arcabouço foi a mudança abrupta das associações de fácies ao longo das superfícies correlacionáveis na escala de bacia e nos poços, e a correlação regional com bacias adjacentes. A sequência I é composta pela associação de fácies do cinturão de canais fluviais entrelaçados, com paleocorrentes para NE e por associações de fácies de dunas e interdunas eólicas com paleocorrentes para SW. A sequência II inclui a associação de fácies do cinturão de canais fluviais entrelaçados, com paleocorrentes para NE. Ainda, a sequência III possui na base a associação das fácies de lençóis de areia eólicos e no topo a associação de fácies lacustre. O desenvolvimento das sequências deposicionais e de suas discordâncias limítrofes responde a variações na taxa acomodação (A)/suprimento sedimentar (S), induzidas por rearranjos tectônicos e climáticos na bacia.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5327/Z0375-75362012000500002

Apontamentos

  • Não há apontamentos.