Quartzito azul com dumortierita e fosfatos de alumínio do Espinhaço setentrional, Bahia: mineralogia e petrogênese

Hanna Jordt Evangelista, André Danderfer Filho

Resumo


No domínio fisiográfico setentrional da Serra do Espinhaço, na Bahia, o quartzito azul é minerado como rocha ornamental de grande valor. As lentes métricas a decamétricas estão irregularmente distribuídas dentro de quartzitos esbranquiçados pertencentes à Formação Vereda. Estudos óticos e análises de microssonda identificaram dumortierita, cianita, muscovita cromífera e lazulita como os principais minerais responsáveis pelas cores azuladas a esverdeadas. Fosfatos como troleítta, augelita, svanbergita-goyazita e monazita ocorrem esporadicamente. Dumortierita e cianita, que são os mais abundantes minerais causadores de cor, estão concentrados majoritariamente em estratos sedimentares plano-paralelos a cruzados de largura milimétrica. A dumortierita é também encontrada preenchendo fraturas discordantes, evidenciando a elevada mobilidade de boro durante o metamorfismo. As condições metamórficas estimadas de P ≥ 3,5 kbar e T = 475 a 560 ºC são da fácies xisto verde superior a anfibolito inferior. Grãos de quartzo arredondados herdados do protólito sedimentar são conspícuos na porção Norte e estão ausentes na porção Sul da área estudada, o que indica intensidade de deformação crescente para Sul. Em termos de ambiente deposicional, a litofácies da Formação Vereda é interpretada como o produto inicial do preenchimento de um rift mesoproterozoico, associado a ambientes lagunares e planícies de maré em sistemas continentais e costeiros, nos quais o boro que gerou dumortierita pode ter sido concentrado em sedimentos com contribuição de material evaporítico.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5327/Z0375-75362012000200011

Apontamentos

  • Não há apontamentos.