Formalização estratigráfica do Membro Fundão, Formação Rio da Batateira, Cretáceo Inferior da Bacia do Araripe, Nordeste do Brasil

Aristóteles de Moraes Rios-Netto, Alexandre Braga Leal de Paula-Freitas, Ismar de Souza Carvalho, Marília da Silva Pares Regali, Leonardo Borghi, Francisco Idalécio de Freitas

Resumo


O intervalo litoestratigráfico conhecido como “camadas Batateira” é bastante citado na literatura sobre a Bacia do Araripe, tendo sido reconhecido tanto na Sub-bacia do Cariri, quanto na Sub-bacia de Feitoria. Sua ampla distribuição e, aparentemente, pouca espessura, levaram-no a ser considerado um marco de correlação regional. No entanto, apesar da importância que lhe é atribuída, o intervalo nunca foi alvo de uma descrição formal, o que levou o nome “camadas Batateira” a ser utilizado com abrangência variada entre os diversos autores, tornando urgente sua discussão e formalização. Análises litoestratigráficas, palinológicas e do conteúdo de carbono orgânico total do furo de sondagem 1-PS-06-CE e sua correlação com o afloramento no Rio Batateira (citado originalmente como seção de referência do intervalo) permitiram uma caracterização mais precisa do intervalo e uma proposta de formalização sob a denominação de “Membro Fundão”, com a definição de holoestratótipo, representado pelo afloramento no Rio Batateira (localidade do Sítio Fundão, município do Crato, Ceará), e de um estratótipo suplementar, constituído por testemunhos do furo de sondagem 1-PS-06-CE (localidade de Salobro, município de Abaiara, Ceará).

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5327/Z0375-75362012000200005

Apontamentos

  • Não há apontamentos.