Quantificação da descarga sedimentar na bacia de Beni (Andes bolivianos) por meio da taxa de denudação obtida por isótopos cosmogênicos de 10Be

Hella Wittmann, Friedhelm von Blanckenburg, Jean-Loup Guyot, Laurence Maurice, Peter Kubik

Resumo


O grande volume de sedimento produzido pelas bacias foreland dos Andes Centrais é carregado pelos tributários da bacia do rio Amazonas. Embora os cosmonuclídeos em sedimento constituam uma ferramenta atraente para estimativa da taxa de denudação de áreas-fonte, a exigência da relação inicial entre a produção e a remoção de nuclídeos torna o método menos óbvio no caso de bacias foreland, nas quais o estoque de sedimento pode alterar os sinais de erosão pelo 10Be das áreas-fonte. Um modelo de nuclídeos cosmogênicos já publicado afirma contudo que a concentração dos nuclídeos não é modificada pelo estoque temporário de sedimento. No presente trabalho esse modelo foi testado na grande bacia foreland de Beni pela medição das concentrações de nuclídeos de 10Be em sedimento detrítico de um trecho de 600 km ao longo da planície de inundação do rio Beni. Os resultados revelaram que o sinal da taxa de denudação baseada em de nuclídeos de 10Be é preservado nos depósitos da planície de inundação do rio Beni, mesmo em setores onde os sedimentos estejam estocados por milhares de anos. Os valores da taxa de denudação por 10Be encontrados na planície de inundação e na área fonte foram bastante semelhantes: 0,45 ± 0,07 e 0,37 ± 0,06 mm/ano respectivamente. Dessa forma sugere-se que qualquer amostra coletada ao longo de tributários que atravessem a planície de inundação fornecerá a taxa de erosão da área fonte. Esse resultado antevê a possibilidade de uma redução expressiva na amostragem em estudos que objetivem o cálculo da taxa de denudação baseada em cosmonuclídeos.

Texto completo:

PDF (English)

Apontamentos

  • Não há apontamentos.