Características morfológicas da confluência dos rios Negro e Solimões (Amazonas, Brasil)

Elena Franzinelli

Resumo


A confluência dos rios Negro e Solimões, que origina o Rio Amazonas, está situada na faixa da neotectônica transcorrente que se estende de leste para oeste na parte central da Bacia do Amazonas. Nessa área, os depósitos clásticos da Formação Alter do Chão, de idade cretácea, formam o assoalho dos sedimentos fluviais recentes. Na confluência, o Rio Negro apresenta largura de 3 km e profundidade de 90 m. Seu ultimo trecho é definido pela neotectônica e é escavado nos depósitos da Formação Alter do Chão que formam a sua margem norte continuando ao leste na margem norte do Rio Amazonas. O Rio Solimões, na confluência, apresenta largura de 2 km e profundidade de 35 m. O ângulo do encontro dos rios é definido pela neotectônica. No interflúvio, a Ilha Xiborena é constituída de sedimentos recentes dispostos em bancos alongados, recurvados. A correlação de perfis batimétricos, obtidos de dados de cartas náuticas da Marinha do Brasil (1978, 1988, 1998), mostra que a Ponta do Catalão, extremidade leste da Ilha Xiborena, teve aumento da superfície e mudança da forma durante esse período e permite verificar as mudanças ocorridas no leito do Rio Amazonas por efeito da erosão e deposição. Nota-se a considerável modificação na localização e na profundidade do sulco de lavagem (scour), a irregularidade do leito do Amazonas em seu trecho inicial, a deposição de sedimentos na margem direita, a formação de barras longitudinais no centro do canal, a 15 km da confluência.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.