Cavas históricas de ouro do Jaraguá: o que resta para se preservar?

Celso Dal Ré Carneiro, Luiz Fernando dos Santos, José Reynaldo Bastos da Silva

Resumo


As áreas de ocorrência das Cavas de Ouro Históricas do Jaraguá, nos bairros Morro Doce e Jardim Britânia, município de São Paulo (SP), foram levantadas para apoiar medidas de preservação. As escavações, da época colonial, são ocupadas por densa vegetação; os taludes abruptos laterais delimitam fundos planos e estreitos. O traço sinuoso dos restos, orientado segundo N40-50W, acompanha zona de transição entre pacotes de rochas neoproterozoicas: a SW ocorrem metapelitos e metapsamitos e, a NE, rochas cálciosilicáticas e anfibolitos. As cavas são controladas por estruturas formadas em três fases de deformação. A expansão urbana e as rodovias, nas últimas três décadas, avançaram vigorosamente sobre os vestígios, porém ainda restam quatro, denominados: (I) Faldas do Morro do Quebra-Pé; (II) Jardim Britânia; (III) Morro Doce e (IV) Parque Nova Anhangüera. Um quinto local foi desfigurado por terraplenagem. A Cava do Jardim Britânia, parcialmente descaracterizada, sofreu aterramento parcial para construção de escola pública, mas ainda se pode propor medidas de proteção. Uma vez que as cavas estão bem preservadas, pode-se recomendar às autoridades que: (1) avaliem a alternativa do tombamento imediato das áreas; (2) desenvolvam programas para implantar sítios de divulgação científica ou um centro educacional integrado com exposição de amostras de rochas, minérios e minerais da região; (3) apoiem o interesse de alguns proprietários de preservar a área denominada Cava Morro Doce; (4) estimulem iniciativas de uso educativo das cavas, mediante produção de roteiros de visita aos sítios históricos. As alternativas ajudarão a recuperar parte da história da mineração paulista.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.