Estratigrafia de seqüências em bacias sedimentares de diferentes idades e estilos tectônicos

José Roberto Canuto

Resumo


O método da Estratigrafia de Seqüências, incluindo a análise seqüências de 3ª ordem, foi definido, originalmente, para aplicação em bacias sedimentares de margem passiva. Tão importante mostrou-se, através de sua utilização e dos resultados obtidos, academicamente e na aplicação prática, que, fatalmente, o mesmo viria a ser tentativamente aplicado a outros tipos de bacias sedimentares, como já ocorreu, por exemplo, com sucesso, através da linha de pesquisa que vem sendo seguida, para os casos de bacias intracratônicas paleozóicas, em situação normal e em situação glaciada. Nesta oportunidade, mostra-se que o método da Estratigrafia de Seqüências pode e vem sendo aplicado, também, a bacias sedimentares instaladas em outros tipos de contextos tectônicos, bem como associadas às mais diversas idades, a partir do Arqueano. Foram considerados os seguintes casos: bacia rifte intracontinental evoluindo para margem passiva em plataforma (Grupo Caraça); bacia foreland (Grupo Bambuí); bacia extensional (Grupo Castro); bacia intracratônica (Bacia do Paraná); e bacia intracratônica glaciada (Bacia do Paraná/Subgrupo Itararé).

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.