Revisão da estratigrafia das rochas da Serra Leste, Província Mineral de Carajás: a revision

Carlos Eduardo de Mesquita Barros, Valéria Marinho do Nascimento, Carlos Augusto Medeiros Filho

Resumo


As rochas metabásicas e metassedimentares da Serra Leste estendem-se para oeste até a Serra Norte, passando por Curionópolis e Parauapebas, e apresentam continuidade física até a Serra do Rabo e a Serra Sul. Sendo assim, estas rochas metavulcano-sedimentares pertencem à mesma unidade litoestratigráfica (Supergrupo Itacaiúnas), não sendo aplicável a separação em diferentes grupos (eg. Igarapé Salobo, Igarapé Pojuca, Rio Novo). As rochas metavulcano-sedimentares foram cortadas por dois conjuntos de granitoides, ambos com estruturas que indicam colocação sintectônica a esforços compressivos regionais. A ausência de várias feições petro-estruturais não permite classificar esses granitoides como migmatitos. A idade U-Pb em zircão de 2,85 Ga, publicada no início da década de noventa e atribuída à migmatização, foi aqui reinterpretada como sendo a idade de cristalização de alguns dos granitoides da região, os quais apresentam foliação de direção N30E. Outro conjunto de granitos tem foliação de direção N70-80E e são preliminarmente correlacionados às intrusões ácidas sintectônicas de 2,75 Ga já descritas na região. A intrusão desses granitoides causou extensivo metamorfismo térmico de fácies hornblenda hornfels a clinopiroxênio hornfels nas rochas metavulcanosedimentares encaixantes. Portanto, as rochas do Supergrupo Itacaiúnas são mais antigas que 2,85 Ga, a idade de cristalização dos granitoides encaixantes.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.