Geotermobarometria de granulitos do Cinturão Ribeira na porção norte do estado do Rio de Janeiro: seção Italva (RJ) - Patrocínio do Muriaé (MG)

Tiago da Rocha Karniol, Rômulo Machado, Essaïd Bilal, Jacques Moutte

Resumo


Este trabalho apresenta um estudo sobre as condições metamórficas de um segmento do Cinturão Ribeira no norte do Estado do Rio de Janeiro, com base em cálculos de pressão e temperatura em granulitos e gnaisses com granada na seção Italva (RJ) - Patrocínio do Muriaé (MG). Os granulitos localizados a oeste de Itaperuna (RJ) apresentam intervalos de temperatura entre 754 e 775°C e de pressão entre 7,9 e 8,6 kbar, enquanto os granulitos localizados a leste de Itaperuna mostraram valores de 702 a 722°C e de 8.0 a 9.1 kbar. Temperaturas e pressões relativamente mais baixas, entre 50 a 100ºC e entre 2,0 a 3,0 Kbar, foram obtidas para os gnaisses aluminosos que afloram entre Itaperuna e Italva. Nota-se que os resultados dos cálculos geotermobarométricos são sistematicamente mais elevadas considerando-se o centro dos minerais, com diferenças de até 2,0 Kbar e ao redor de 100º C. Em comparação com os dados disponíveis na literatura, os dados apresentados indicam temperaturas equivalentes e pressões, em média, 2,0 kbar mais elevadas. Considerando-se um gradiente termal médio de 30º/km para as rochas estudadas - valor comum em cinturões granulíticos pré-cambrianos de temperatura ultra-alta (UHT) -, pode-se estimar uma espessura crustal acima de 25 km para os granulitos da região de Itaperuna. Os dados discutidos sugerem a exumação de granulitos em regime transpressivo, relacionado ao processo de extrusão tectônica do segmento estudado.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.