Determinação quantitativa de parâmetros texturais de arenitos eólicos através de análise de imagens digitais de seções delgadas

Ana Lúcia D. Gesicki, Isaac Jamil Sayeg, Daiane Katya Curti, Paulo César Boggiani, Paulo César Fonseca Giannini

Resumo


Análise de imagens em seções delgadas de amostras de calha de arenitos das formações Pirambóia e Botucatu, provenientes de poço de captação de água do município de Barretos, SP, nortearam o desenvolvimento de rotinas para quantificação da porosidade e dos índices de empacotamento de Kahn (1956). O processo de análise de imagem utilizado foi a segmentação por limiarização dos histogramas dos componentes HSI (matiz, saturação e intensidade) da imagem colorida, tendo em vista o contraste dos componentes óticos da cena microscópica. Estes componentes subdividem-se em poros azuis, coloridos por impregnação prévia da rocha com resina e corante, e arcabouço de grãos e cimento (não poros) incolores. As rotinas de análise envolvem etapas de aquisição de imagens, segmentação por limiares, correção automática de binário, correção manual de binário e medição de binário. As principais fontes de imprecisão da análise de imagem são a presença de microporosidade dispersa em cimentos de argila e o efeito de cunha das bordas de poro. Os arenitos analisados apresentam macroporosidades altas, com médias de 39,55% e 28,47%, respectivamente, para as formações Pirambóia e Botucatu. A porção superior da Formação Pirambóia, próximo ao contato com a Formação Botucatu, por outro lado, apresenta horizontes com baixa porosidade (média 3,23%) devido à obstrução do espaço intergranular por cimento carbonático. O arcabouço das rochas de ambas unidades é aberto, com densidade de empacotamento variando de 59% a 82% e proximidade de empacotamento inferior a 25%.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.