Estratigrafia do Grupo Bambuí e coberturas fanerozóicas no vale do rio São Francisco, norte de Minas Gerais

Mario Iglesias, Alexandre Uhlein

Resumo


Apresenta-se o resultado do mapeamento geológico regional e de integração de dados geológicos de uma área de 40.000 km² no norte do Estado de Minas Gerais. Foram mapeados afloramentos de gnaisses arqueanos, pertencentes ao embasamento cristalino, rochas carbonáticas e terrígenas que compõem o Grupo Bambuí, de idade neoproterozóica, arenitos do Grupo Urucuia (Cretáceo) e coberturas recentes. A deposição das formações do Grupo Bambuí na área é resultado da paleogeografia do embasamento e de processos tectônicos. Foram verificadas áreas de embasamento em altos estruturais (Alto de Januária) e depocentros locais na porção sul e leste da área, onde a espessura do Grupo Bambuí é substancialmente maior. A Formação Sete Lagoas, representada por sucessão plataformal rasa, constituída por calcários e dolomitos, aflora, exclusivamente, na margem esquerda do rio São Francisco. As unidades médias do Grupo Bambuí, formações Serra de Santa Helena (siltitos, folhelhos e lentes de calcário escuro) e Lagoa do Jacaré (calcários oolíticos/intraclásticos, siltitos e margas), apresentam uma ampla distribuição em toda a região. Detalhado estudo petrográfico dos carbonatos da Formação Lagoa do Jacaré na região de Lontra (sul da área) evidenciou uma importante variação faciológica para esta unidade. Já as formações Serra da Saudade (siltitos e folhelhos) e Três Marias (arenitos, arcósios e siltitos) afloram apenas nos extremos leste e sul da área, apresentando depocentros locais, diferenciados das formações inferiores.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.