Petrologia e sucessão estratigráfica das rochas monzoníticas da associação shoshonítica de Lavras do Sul (RS)

Joaquim Daniel de Liz, Evandro Fernandes de Lima, Lauro Valentim Stoll Nardi, Carlos Augusto Sommer, Dejanira Luderitz Saldanha, Ronaldo Pierosan

Resumo


São discutidos os apectos de campo, a geoquímica de elementos maiores, traços e isótopos das rochas monzoníticas da região de Lavras do Sul, extremo sul do Brasil. Estas ocorrem como intrusões epizonais (Monzonito Tapera e Monzodiorito Arroio do Jacques) e como corpos subvulcânicos (Monzonitos Hipabissais), cuja distribuição e forma são relacionadas a sistemas de subsidência de caldeiras. Os Monzonitos Hipabissais e os diques relacionados são intrusões ressurgentes com orientação NW-SE. As fases minerais máficas destas rochas são constituídas por magnésio hornblenda, augita-diopsídio e biotita. Dados geoquímicos indicam que os monzonitos são cogenéticos, pertencem a Associação Shoshonítica de Lavras do Sul (ASLS) e foram gerados por cristalização fracionada a partir de magmas menos diferenciados. A idade obtida de 587 ± 4 Ma (SHRIMP-U-Pb em zircão) obtida nos Monzonitos Hipabissais representa as manifestações shoshoníticas tardias da área e definem um intervalo de formação da ASLS de pelo menos 16 Ma.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.