Estudo Bioestratigráfico com Base em Nanofósseis Calcários do Cretáceo da Bacia de Sergipe, Nordeste do Brasil

Flávia Azevedo Pedrosa, Iraclézia Gomes de Araújo, Rogério Loureiro Antunes, Mário Ferreira de Lima Filho

Resumo


Esse trabalho apresenta os resultados bioestratigráficos obtidos no poço A1SE, localizado na Bacia de Sergipe, por meio da análise do conteúdo nanofossilífero recuperado em amostras de calha. O intervalo aqui estudado refere-se ao Cretáceo da Bacia de Sergipe, desde o Albiano até o Maastrichtiano. Durante a descrição das espécies em cada lâmina, investigações quantitativas e qualitativas foram realizadas. Pode-se observar a presença de alguns táxons, que possibilitaram o reconhecimento das biozonas e dos intervalos cronoestratigráficos associados. Dentre essas, destacam-se Nannoconus truitti truitti, Nannoconus truitti frequens, Braarudosphaera africana, Eiffellithus turriseiffelii, Reinhardtites anthophorus, Uniplanarius sissinghii, Uniplanarius trifidum, Reinhardtites levis. Fahrania varolli, Micrantholithus hoschulzii, Nannoconus quadriangulos apertus e Tegulalithus tesselllatus. Com a ausência de algumas biozonas é postulado um hiato que abrange o intervalo Cenomaniano-Santoniano. De acordo com as variações de abundância e diversidade foram interpretados intervalos transgressivos, regressivos e agradantes.


Palavras-chave


Nanofósseis calcários; Cretáceo; Bacia de Sergipe.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.11137/2019_3_207_222

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


SCImago Journal & Country Rank