Orogenias: das margens continentais ao interior remoto das placas, uma revisão no tema

Benjamim Bley de Brito Neves

Resumo


Esta síntese do conceito de orogenias abrange desde a Tectônica de Placas dos anos 970, adendos e modelos “alternativos”, que buscam explicar orogenias distantes das zonas de interação de placas. A análise crítica dos modelos originais resultou em adendos que incluem domínios proterozoicos e paleozoicos e observações sobre reologia e história termo-tectônica da litosfera. Os modelos alternativos explicam a orogênese por subdução local de litosfera continental, sem envolver litosfera oceânica. Nos anos 1990, houve notável avanço no estudo das causas da subsidência (tectônica formadora de bacias) e estudos que contestam a rigidez das placas e propõem modelos de enfraquecimento devido à ação termal. Orogenias intracontinentais, entendidas como caso extremo da inversão de bacias, ocorrem em praticamente todos os continentes. Esforços gerados em zonas de interação de placas podem ser transmitidas continente adentro por milhares de quilômetros e gerar tectônica deformadora longe de suturas. Embora esteja ainda em estágio de fluxo, o conceito de orogenias intracontinentais (“telessuturais”) vem se consolidando, embora não tenha sido incorporado a livros-texto. O histórico e o reexame do tema possibilitam classificar os orógenos segundo três variáveis principais: posição em relação às zonas de sutura, organização geométrico-geológica (em planta) e nível de exumação.

Palavras-chave


Orogenia; Tectônica formadora; Tectônica deformadora; Sistemas de dobramentos; Deformação intracontinental.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.