Conchostráceos como evidência de níveis jurássicos na Formação Caturrita, Faxinal do Soturno, Rio Grande do Sul, Brasil

Rosemarie Rohn, Tânia Lidner Dutra, Marcus Vinicius Bonafé Cabral

Resumo


Este trabalho enfoca os primeiros conchostráceos (Crustacea, Spinicaudata) encontrados no afloramento São Luís (Formação Caturrita, Grupo Rosário do Sul), em Faxinal do Soturno, Rio Grande do Sul (29º 33' 29,09"S, 53º 26' 54"W). Vertebrados e vegetais fósseis identificados no mesmo afloramento sugerem idades conflitantes, respectivamente, final do Triássico e início do Jurássico. Pistas de dinossauros recentemente descobertas na parte superior do afloramento acirram a polêmica. Deste modo, os conchostráceos constituem importantes elementos adicionais nesta discussão. Alguns compartilham muitos caracteres com Carapacestheria disgregaris (Tasch) Shen (Eosestheriidae) do Grupo Ferrar, Jurássico Inferior-Médio das Montanhas Transantárticas. Contudo, diferenças em detalhes da ornamentação levaram à proposta de um novo gênero e de uma nova espécie, Nothocarapacestheria soturnensis, e à interpretação de uma relação filogenética próxima à espécie antártica. Outros exemplares da assembleia guardam semelhança com Australestheria corneti (Marliére) Chen (Fushunograptidae) do Jurássico Médio do Zaire. Em conjunto, os conchostráceos apoiam a idade jurássica e corroboram os dados da flora de Bennettitales registrada nos mesmos níveis do afloramento. Por outro lado, a idade triássica apontada pelos tetrápodos não pode ser descartada por sua própria posição estratigráfica mais inferior no afloramento São Luís. Do mesmo modo, a presente discussão cronoestratigráfica não diz respeito às outras ocorrências da Formação Caturrita, especialmente porque há dificuldades nas correlações, tanto pela falta de suporte paleontológico, como pelos inúmeros falhamentos durante a sedimentação mesozoica na parte sul da Bacia do Paraná.

Texto completo:

PDF EPUB


DOI: http://dx.doi.org/10.5327/Z1519-874X201400010001

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


SCImago Journal & Country Rank