Conchostráceos com linhas de crescimento recurvadas junto à margem dorsal (famílias Palaeolimnadiopseidae e Perilimnadiidae) da formação rio do rasto, Permiano superior, bacia do Paraná, Brasil

Luis Gustavo Ferreira-Oliveira, Rosemarie Rohn

Resumo


Alguns conchostráceos permianos da Formação Rio do Rasto (Bacia do Paraná, Brasil) apresentam um encurvamento bem característico nas linhas de crescimento na região próxima à margem dorsal. Todos os exemplares previamente descritos foram atribuídos a Palaeolimnadiopsis subalata (Reed) Raymond. Porém, uma reanálise deste material fóssil e de exemplares adicionais demonstrou que nem todos os espécimes podem ser incluídos em um mesmo táxon, nem em uma mesma família (Palaeolimnadiopseidae). De acordo com a forma da carapaça e tamanho do umbo, estes exemplares são aqui referidos a três espécies. As carapaças de formato subelíptico, com umbo pequeno e em posição subanterior são mantidas em Palaeolimnadiopsis subalata (Reed, 1929) Raymond, 1946. As carapaças subcirculares com umbo pequeno em posição subcentral correspondem a Palaeolimnadiopsis riorastensis sp. nov. As valvas de formato elíptico com umbo grande e anterior são atribuídas à Falsisca brasiliensis sp. nov., da Família Perilimnadiidae. O gênero Palaeolimnadiopsis tem uma ampla distribuição cronoestratigráfica, porém o gênero Falsisca está restrito ao Permiano superior - Triássico inferior, da Europa e da Ásia. Este intervalo está de acordo com a provável idade permiana superior dos estratos onde foram encontrados estes fósseis na Formação Rio do Rasto. O gênero Falsisca é aqui referido pela primeira vez ao registro fóssil do Gondwana.

Palavras-chave


Conchostraca;Palaeolimnadiopseidae;Perilimnadiidae;bacia do Paraná;Permiano superior

Texto completo:

PDF EPUB


DOI: http://dx.doi.org/10.5327/z1519-874x2008000100004

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


SCImago Journal & Country Rank