Controle litoestrutural e caracterização geofísica do Complexo Alcalino Planalto da Serra, Mato Grosso

Gabriel Luiz Zaffari, Amarildo Salina Ruiz, Roberta Mary Vidotti, Francisco Abel Pompeu de Campos

Resumo


O Complexo Alcalino Planalto da Serra está alojado nas rochas metassedimentares do Grupo Cuiabá, na Zona Interna da Faixa Paraguai, sendo composto de rochas ultramáficas alcalinas, como peridotitos, piroxenitos, carbonatitos, apatititos e bebedouritos. Os trabalhos iniciais indicavam formação desse complexo durante o Cretáceo, correlacionada ao magmatismo alcalino associado ao Lineamento Azimute 125º. Novos dados geocronológicos, obtidos pelos métodos de Rb/Sr, Ar-Ar e Sm/Nd, indicaram, no entanto, a idade de formação do complexo alcalino próximo a 600 Ma, remontando assim a um modelo de intrusão de diques e stocks diferente do já descrito. Com o intuito de compreender a relação entre as rochas alcalinas e o Grupo Cuiabá, tanto na relação temporal quanto ao modelo de intrusão, foram utilizados dois métodos de trabalho: o emprego de dados aerogeofísicos, gamaespectometria e magnetometria, e o mapeamento litoestrutural nos sítios de ocorrência das intrusões alcalinas (Chibata e Lau-Massao). O alto contraste entre características magnéticas dos metassedimentos do Grupo Cuiabá e as rochas alcalinas permitiu a identificação e a delimitação de sete anomalias magnéticas relacionadas às intrusões alcalinas do Complexo Planalto da Serra. Baixos teores de potássio nos dados de gamaespectometria permitiram delimitação dos corpos alcalinos. Feições como deformação penetrativa e reorientação mineral, presentes nas bordas de diques alcalinos, corroboram com modelo de intrusão sin a tardi-tectônica. A relação entre as idades, características deformacionais e metamórficas indica que os registros tectônicos verificados nas rochas alcalinas são correlatos aos observados nas rochas metamórficas do Grupo Cuiabá, Faixa Paraguai.


Palavras-chave


Complexo Alcalino Planalto da Serra; Grupo Cuiabá; Faixa Paraguai; Magnetometria; Gamaespectometria; Deformação.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.11606/issn.2316-9095.v18-152318

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


SCImago Journal & Country Rank