O Currículo de Geologia em Face das Diretrizes Nacionais Curriculares e das Atribuições Profissionais

Janasi Valdecir de Assis

Resumo


Uma avaliação do currículo de Graduação em Geologia vigente na USP é feita à luz dos novos conceitos a ele incorporados, em comparação com o currículo anterior, com outros cursos de Geologia do Brasil e com cursos tradicionais da própria USP. Em comparação com a estrutura anterior, o curso sofreu uma redução importante na carga de aulas (23%), principalmente em disciplinas básicas (36%), e tornou-se mais flexível, com 25% de sua carga horária correspondendo a disciplinas optativas (9%) e ao Trabalho de Formatura (16%). Considerando o contexto atual e projeções futuras do mercado de trabalho e da regulamentação profissional, sugere-se manter a proporção atual entre disciplinas básicas, geológicas e profissionalizantes, bem como a flexibilidade do currículo. Esta última, no entanto, poderia ser utilizada de modo mais efetivo com um redimensionamento do Trabalho de Formatura, e aumento da proporção de disciplinas optativas. Considera-se também fundamental que a comunidade geológica concentre esforços no sentido de aprovar, junto ao Conselho Federal de Educação, as Diretrizes Nacionais Curriculares, que constituem a base para a criação de novos cursos, reformas mais profundas de currículos atuais, e para o melhor entrosamento entre universidade e os órgãos de regulamentação profissional.

Palavras-chave


Diretrizes curriculares; Regulamentação profissional; Trabalho de Formatura.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.11606/issn.2316-9087.v4i0p1-10

Apontamentos

  • Não há apontamentos.