MEGAFAUNA PLEISTOCÊNICA DA FAZENDA ELEFANTE, GARARU, SERGIPE, BRASIL.

Mário André Trindade Dantas, Maria Helena Zucon, Ana Maria Ribeiro

Resumo


A ocorrência da megafauna pleistocênica é registrada em muitos Estados do Brasil, desde o século XIX. A partir de 1985, os estudos no Estado de Sergipe foram intensificados. Até o momento haviam sido registrados Eremotherium laurillardi, Stegomastodon waringi, Palaeolama major, Catonyx cuvieri e Toxodon sp., procedentes dos municípios de Aquidabã, Canhoba, Monte Alegre e Poço Redondo. Em 2002, novos fósseis da megafauna pleistocênica foram descobertos em um tanque, no município de Gararu. Com o estudo taxonômico deste material pôde-se identificar os seguintes táxons: Tardigrada (Megatheriidae – Eremotherium laurillardi, Mylodontidae – Catonyx cuvieri, Mylodontidae – Mylodontinae); Cingulata (Glyptodontidae – Glyptodon cf. G. clavipes); Notoungulata (Toxodontidae); Artiodactyla (Camelidae – Palaeolama major); Perissodactyla (Equidae – Equinae); Proboscidea (Gomphotheriidae – Stegomastodon waringi); Carnivora (Felidae – Smilodon populator). Registra-se pela primeira vez para o Estado de Sergipe a ocorrência de Mylodontinae, Equinae, Smilodon populator e Glyptodon cf. G. clavipes.

Palavras-chave


Megafauna, Pleistoceno final, Gararu, Sergipe

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


SCImago Journal & Country Rank