IMPORTÂNCIA DE ESTUDOS FISIOGRÁFICOS NO PLANEJAMENTO MUNICIPAL: EXEMPLO DO JARDIM BOTÂNICO DE POÇOS DE CALDAS, MG.

Fernanda Tonizza Moraes, Jairo Roberto Jiménez-Rueda

Resumo


Pela conjugação dos aspectos geológicos, geomorfológicos e pedológicos da área de implantação do Jardim Botânico de Poços de Caldas, definiu-se a dinâmica fisiográfica da paisagem, com o objetivo de contribuir para o conhecimento dos aspectos físicos da região e, desta forma, ocupá-la de forma ordenada e sustentável. Verificou-se que o Jardim Botânico insere-se em uma paisagem aluvial associada a paisagens lacustres menores, em que as coberturas de alteração intempérica são mais ou menos espessas e possuem composição mista e características de transporte gravitacional. A ocorrência de organossolos restringe-se à paisagem lacustre atual/subatual, podendo estar aflorantes ou soterrados por material de transporte gravitacional. As unidades fisiográficas das cotas mais elevadas do terreno decorreram de esforços neotectônicos, que levaram ao soerguimento de blocos e mudança do nível de base. A estas unidades associam-se os neossolos e cambissolos, em sua maioria regolíticos e concrecionários. O estudo permitiu a delimitação de cinco classes de uso e ocupação do solo na área do Jardim Botânico.

Palavras-chave


Poços de Caldas, Jardim Botânico, paisagem, solos, uso e ocupação

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


SCImago Journal & Country Rank