RECUPERAÇÃO DE MERCÚRIO DE AMÁLGAMAS DE OURO EM GARIMPO - RETORTA RHYP

Raphael HYPOLITO, Ernesto Massayoshi SUMI

Resumo


Dentre os íons de metais pesados, os cátions de mercúrio se sobressaem especialmente por não serem biodegradáveis e pela sua capacidade em se acumular nos organismos ao longo da cadeia alimentar, magnificando-se. Uma vez absorvidos os íons de mercúrio causam, entre outros, danos neurológicos, paralisia cerebral, tremores, fibrilação muscular, irritação pulmonar, comprometimento renal, etc. e até a morte. A extração de ouro em pequena escala, de modo caseiro, normalmente é efetuada em garimpos a partir de mercúrio metálico sob a forma de amálgamas. Essa técnica constitui-se em uma das maiores fontes de poluição por mercúrio no meio ambiente e, portanto, é sempre necessário o uso de instrumentos que minimizem seus efeitos. Este foi o estímulo para que fosse desenvolvido no Laboratório de Química o Instituto de Geociências da Universidade de São Paulo, a Retorta RHYP, apresentada neste trabalho. Ela, além de baixíssimo custo, de fácil montagem, recupera o mercúrio de amálgama de ouro a valores próximos de 100%. É uma retorta que apresenta ainda a vantagem de ser de fácil transporte de não necessitar de refrigeração. A Retorta RHYP, apesar de pouca divulgação tem sido utilizada em muitos países da África, Filipinas e também em alguns países da América do Sul necessitando ainda de maior divulgação através de trabalhos como este que ora está sendo apresentado.


Palavras-chave


Retorta; Extração de ouro; Mercúrio; Amálgama de mercúrio; Contaminação.

Texto completo:

PDF (English)

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


SCImago Journal & Country Rank