O DEPÓSITO POTASSÍFERO DE AUTAZES NO CONTEXTO ESTRATIGRÁFICO DA BACIA DO AMAZONAS

Gustavo Lage Sousa KIEFER, Alexandre ULHEIN, José Jacob FANTON

Resumo


O Depósito Potassífero de Autazes, com reservas totais superiores a 767 Mt e teor médio de 30,71% de cloreto de potássio (KCl), corresponde a um horizonte mineralizado subhorizontal, posicionado nos estratos superiores da Formação Nova Olinda, da Sequência Pensilvaniana-Permiana da Bacia do Amazonas. Este trabalho apresenta as características mineralógicasgeoquímicas, estratigráficas e petrográficas da mineralização, a partir dos dados oriundos do programa de pesquisa mineral para sais de potássio empreendido pela Potássio do Brasil Ltda., entre os anos de 2008 e 2014, na região de Autazes, Amazonas, Brasil. Esses dados indicam que a mineralização abrange uma área de 155 km2, com espessura média de 2,07 m e situa-se entre as profundidades de 685 m e 865 m. O horizonte mineralizado foi subdividido, da base para o topo, em: 1) Intervalo Mineralizado Inferior, com predomínio de silvinitas brancas, finas e laminadas; 2) Intervalo Mineralizado Intermediário, que apresenta principalmente silvinita castanha e sulfatos disseminados; 3) Intervalo Mineralizado Superior, constituído por silvinitas avermelhadas, com granulação grosseira. As distribuições dos teores de KCl e espessuras da mineralização estão relacionados às características distintivas dessas unidades ao longo do depósito.


Palavras-chave


Evaporitos; Silvinita; Formação Nova Olinda; Pensilvaniano-Permiano; Bacia do Amazonas.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


SCImago Journal & Country Rank