CARACTERIZAÇÃO PETROGRÁFICA DAS ROCHAS ENCAIXANTES DA MINERALIZAÇÃO AURÍFERA DO DEPÓSITO LAVRA VELHA – REGIÃO DE IBITIARA, BORDA OESTE DA CHAPADA DIAMANTINA, BAHIA

ALINE DE CASSIA CARLIN, ANTENOR ZANARDO, GUILLERMO RAFAEL BELTRAN NAVARRO

Resumo


O depósito de ouro Lavra Velha localiza-se na cidade de Ibitiara, centro-oeste do Estado da Bahia e borda oeste do domínio fisiográfico da Chapada Diamantina, situado no Aulacógeno do Paramirim, região norte do Cráton São Francisco. O depósito, cuja mineralização se hospeda em brechas hematíticas sericitizadas, foi recentemente inserido na classe de modelo IOCG (Iron Oxide Cooper Gold). O principal objetivo do trabalho foi caracterizar petrograficamente as rochas encaixantes deste depósito, cujas litologias predominantes são metatonalitos e meta-quartzo diorito. Estas rochas encontram-se completamente alteradas, com atuação dos processos hidrotermais predominando sobre a deformação de baixo strain, resultando principalmente em intensa sericitização e formação de óxidos de ferro. A análise petrográfica, sugere que as rochas encaixantes do depósito são correspondentes alteradas do Granitoide Ibitiara, metamorfizadas, deformadas e alteradas hidrotermalmente. A intrusão do Granitoide Ibitiara ocorre, provavelmente, em ambiente mais raso da crosta, sugerindo que fluidos hidrotermais e mineralizantes sejam mais tardios. Apesar de integrado até o momento à classe de depósitos IOCG, a análise tectono-estrutural e hidrotermal do depósito Lavra Velha sugere que a mineralização de ouro tenha origem relacionada à fase mais tardia de evolução da bacia do Espinhaço, relacionada à inversão do aulacógeno do Paramirim.


Palavras-chave


Depósito Lavra Velha; Cráton São Francisco; Aulacógeno do Paramirim; Depósito IOCG; Supergrupo Espinhaço.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


SCImago Journal & Country Rank