ESTUDO DO COMPORTAMENTO DA COTA MÍNIMA DO RIO ACRE NOS ÚLTIMOS 43 ANOS E AS CONSEQUÊNCIAS PARA O ASSOREAMENTO FUTURO DO RIO

Osmar José Accorsi, Esperidião Fecury Pinheiro de Lima, Luciane Ferreira Alcoforado, Orlando Celso Longo

Resumo


Uma das preocupações, quando se trata de leito fluvial, em regiões de bacias sedimentares, como o Estado do Acre é com relação ao comportamento que o leito fluvial apresenta, em relação à profundidade. Baseado nas medições realizadas, de 1971 até 2013, se verifica um comportamento no qual até o ano de 1985 a cota mínima do rio Acre apresentava uma tendência crescente e a partir de 1986 esta cota apresenta uma tendência de redução, devido ao assoreamento que o rio vem sofrendo ao longo destes anos. Como o rio Acre, além de ser fonte de matéria prima para a construção civil, no caso a areia utilizada como agregado miúdo do concreto, bem como para o abastecimento de água, sendo este rio o responsável por 100% da água fornecida à população do município de Rio Branco, a preocupação com o comportamento deste rio é constante. Desta forma procurou-se, baseado nas medições e análises estatísticas determinar o comportamento da evolução da cota mínima e do assoreamento do rio, e através de previsões e projeções determinar o tempo que levará o rio para um assoreamento total, quando registrará uma cota de “zero” metro, impedindo a obtenção de areia e água para a demanda da população.

Palavras-chave


Assoreamento; extração de areia, cota mínima

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


SCImago Journal & Country Rank